A primeira inspiração acontece quando saímos do ventre da mãe, e  quando deixamos a vida terrena a última coisa que fazemos é expirar, assim creio que podemos compreender um pouco melhor a importância da respiração para esse corpo físico que é por natureza integrado ao corpo espiritual e emocional. Podemos deixar de comer e beber por uns dias, mas sem respirar somente por minutos, portanto considero que o oxigénio é o alimento mais importante para nós filhos da terra.

Se observarmos a respiração de um bebê veremos que a barriguinha dele se move e depois o tórax, conforme vamos crescendo acabamos por ir perdendo essa habilidade natural do corpo de realizar a respiração completa, e por exatamente pela respiração ser uma ação inata do corpo, não percebemos se fazemos uma boa respiração, aproveitando o potencial máximo desse sistema para criarmos saúde e satisfação no ato de viver o aqui e agora.

Para além do Sistema Tegumentar (pele, cabelo, unhas e pelos), o Sistema Respiratório é responsável pela boa absorção deste combustível essencial para a vida humana. A entrada e saída de ar no nosso corpo acontece pela mudança de pressão interna que é criada nos pulmões por estarem cheios (menos pressão do que a atmosférica) ou vazios (mais pressão que a atmosférica), e a responsabilidade pelo mecanismo da respiração que impulsiona o movimento de inalação e expulsão de ar é 75% do diafragma, grande feixe muscular em forma dupla cúpula, que ocupa todo o interior do tronco separando os pulmões e coração numa cavidade superior, da cavidade inferior com os sistemas digestivo, reprodutivo, urinário, com auxilio dos músculos intercostais internos e externos, e da elasticidade dos pulmões.

Na respiração completa o Diafragma se movimenta para baixo e expande a cavidade superior, empurrando os órgãos da cavidade inferior também para baixo, fazendo também a expanção dessa cavidade para fora, movendo saudavelmente os órgãos.

Para compreendermos melhor e criarmos consciência da respiração temos de aprender a nos auto-observar, e vamos começar agora de maneira simples:

Passamos agora para uma auto-observação mais ativa, já focando e alterando a respiração:

É importante continuar mantendo esse exercício com a atenção para que ele não se torne um dado adquirido, que a auto-observação ativa vá ficando cada vez mais afinada com a minha sensação interna, para conseguir realizar cada ação respiratória mais focado e entregue, sentindo a melhora gradativa da qualidade respiratória em cada uma das fases e sensações que falamos.

Caso houver algum tipo de dúvida, curiosidades ou partilha que queira fazer, fique á vontade, será um enorme prazer essa troca de informação e sabedoria.

Silvia Patzsch
Arte Educadora e Terapeuta em Consciência Corporal

11/03/2014 Lisboa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *